segunda-feira, 18 de junho de 2012

O tal.

É, ele é o tal. É ele que me faz sentir borboletas na barriga. É ele com quem eu posso falar de tudo, até de parvoíces. É ele que me arranca os mais sinceros sorrisos e as mais melodiosas gargalhadas. É ele que me abraça com mais força e que me faz sentir segura. É ele que faz o meu mundo transbordar magia. É ele que eu quero ter por perto, é a ele que eu quero dar a mão. E não sei porquê, mas sinto que mesmo quando todos tiverem ido embora, ele estará lá, como sempre esteve, pronto para me dar daqueles abraços calorosos.
Obrigada por seres o tal.